SUS deve oferecer o tratamento completo

Em recente debate do Conselho Nacional de Saúde sobre o direito à Saúde em maio de 2013, o Conselheiro Clóvis Boufleur, represente titular da CNBB, destacou o conceito de que vivenciar princípios éticos a partir dos direitos, que brotam do relacionamento entre as pessoas, é investir todas as forças para amar as pessoas com honestidade, sem hipocrisia, e reconhecer que o outro é o  limite de nossa felicidade.

Aproveitou a oportunidade da reunião CNS para propor uma resolução que pudesse enfrentar o desafio da negação do direito à resolutividade dos tratamentos no SUS. Salientou que é uma hipocrisia os usuários terem acesso aos serviços de consulta e diagnóstico, e depois a grande maioria não encontrar no SUS o tratamento completo para as suas doenças. Clóvis afirmou que é muito comum os usuários saírem das consultas com uma receita e a rede pública não dispor de parte dos medicamentos.

Ou a pessoa compra o medicamento que falta, ou simplesmente faz o tratamento somente com parte dos medicamentos que existem no SUS. Por isso, o Conselheiro Clóvis propôs uma resolução do CNS com o seguinte resolve: estabelecer o direito de todas as pessoas à assistência farmacêutica para o tratamento das doenças de modo resolutivo, com a oferta de todos os medicamentos prescritos no SUS, órteses e próteses, com vigilância do tratamento.O texto foi aprovado e a Resolução nº 468 é a primeira publicada pelo CNS em 2013.

CNBB entrega mais de 865.118 mil assinaturas

O Secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, entregou mais de 865.118 mil assinaturas para o Comitê Saúde +10. Esta soma foi possível com o apoio de todas as Pastorais, Dioceses, Paróquias. A Pastoral da Criança contribuiu com a coleta de quase 200 mil assinaturas.

Em ato público na segunda-feira dia 5 de agosto de 2013,   Dia Nacional da Saúde, o secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, realizou a entrega solene de 865.118 assinaturas, coletadas pela Conferência nas comunidades de todo o país.

Estas assinaturas – já auditadas, se somarão às coletadas pelas outras entidades que integram o Comitê Saúde + 10, foram apresentadas ao Congresso Nacional neste mesmo dia, junto com o Projeto de Lei de iniciativa popular pela destinação de 10% das receitas correntes brutas da União para a Saúde Pública.

“Este nosso esforço quer mostrar que a saúde é um direito de todos os filhos e filhas de Deus, especialmente das regiões mais carentes”, explicou dom Leonardo.

Leia mais:CNBB entrega mais de 865.118 mil assinaturas

Parto normal é como nascem os príncipes

De parto normal, nasceu nesta segunda-feira (22 de julho) em Londres o bebê real, filho da duquesa de Cambridge, Kate Middleton, e do príncipe William. O menino que nasceu com 3,798 kg, terceiro na linha sucessória e futuro rei é o terceiro bisneto da rainha Elizabeth. De parto normal nascem os príncipes porque o parto normal, no tempo certo, é o mais seguro tanto para a mãe quanto para o bebê.

Leia mais:Parto normal é como nascem os príncipes